O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Aloizio Mercadante, e o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, anunciaram nesta segunda-feira (22) a reabertura do Espaço Cultura do BNDES, no centro do Rio de Janeiro, depois de três anos em que o local ficou sem apresentações.

Mercadante destacou que é o início de uma série de parcerias importantes entre o banco e a Prefeitura do Rio de Janeiro. Segundo ele, depois de 20 de junho, quando o BNDES faz 71 anos, todas as quintas-feiras e sextas-feiras a música gratuita no BNDES estará de volta. Nas quintas-feiras serão espetáculos de música popular brasileira e nas sextas-feiras de música instrumental ou erudita.

O presidente do BNDES informou ainda que o banco está lançando edital de R$ 6 milhões para garantir a programação da temporada 2023/2025. “Contratamos cinco equipes de curadoria para fazer as seleções e vamos abrir espaço para os jovens talentos, para os que estão desenvolvendo a carreira e para as estrelas e profissionais já renomados. Vamos ter já dois anos de música assegurados, que é uma forma da gente revitalizar o centro e junto com a prefeitura preencher esse espaço arquitetônico tão importante para a cidade e não pode ser esvaziado”, disse.

Mercadante anunciou também que o muro em torno do BNDES vai receber um painel de arte popular. “Já estamos contratando um grafite que vai ser motivado pelo tema do desenvolvimento, que é um pouco o papel do BNDES nesses 71 anos. Queremos inaugurar também na data de aniversário do banco”, revelou.

Para o prefeito do Rio, o retorno do funcionamento do Espaço Cultura é uma supernotícia sobre uma tradição do banco que tinha sido interrompida. “É muito importante para o centro da cidade. O BNDES e a Petrobras, órgãos estatais, empresas ou instituições como o BNDES que têm papel importantíssimo no centro da cidade, portanto, é o primeiro ato concreto que a gente vê de um órgão público, em nível federal, tomando essa decisão, se preocupando com o muro, fazendo grafite. Acho que isso é o que vai resgatar o centro do Rio de Janeiro”, disse Paes.

Valongo

Os anúncios de parcerias com a Prefeitura do Rio de Janeiro vão continuar nesta terça-feira (23) com um evento de empoderamento da população negra, especialmente nas empresas. De acordo com o presidente do BNDES, o Estado brasileiro já fez uma série de políticas afirmativas, inclusive a lei de cotas, adotada quando era ministro da Educação, e que mudou a história da universidade brasileira.

“Agora queremos levar essa discussão para as empresas, na política de compras, estímulos para empresários empreendedores negros e estamos trazendo a experiência da África do Sul, o responsável na África do Sul por esta política, que já tem 30 anos. Lá tem oito estágios em que vão avaliando a presença de negros e negras na estrutura das empresas e é uma política que a gente tem que refletir aqui”, disse.

“Amanhã [terça-feira] também vamos fazer alguns anúncios importantes, especialmente em relação ao [Cais do] Valongo. Vamos abrir um fundo novo. Por iniciativa do BNDES vamos buscar parceiros para fortalecer e fomento da Pequena África [como é conhecida a região próxima ao Valongo] para fazer ali um território da cultura. Aquilo ali acho que é o pré-sal da história e da cultura negra no Brasil. É uma coisa muito forte e muito bonita”, disse Mercadante.

“Vamos deflagrar o processo amanhã {terça-feira] e vai ser concluído com um museu que vai ser construído. Vamos restaurar o prédio histórico e ajudar a criar mais um centro cultural que pode ser uma referência internacional”, disse.

“Ter um edital do BNDES viabilizando recursos para que tenhamos ali, aquela enorme capacidade de produção cultural no Largo da Prainha, na Pedra do Sal, no Morro da Providência, que é a primeira favela brasileira. A origem do nome favela está ali no Morro da Providência, não tem dúvida nenhuma que vai representar um avanço grande para esta região central da cidade”, afirmou Paes.

Racismo

O presidente do BNDES adiantou ainda que nesta terça-feira também será feito um dia de solidariedade e de desagravo ao racismo na Espanha ao jogador Vini Jr, do Real Madrid. “Não podemos aceitar o que aconteceu. Não podemos ficar calados diante deste tipo de agressão. Racismo nunca mais no campo de futebol e na sociedade. Precisamos resgatar e valorizar a cultura de negros e negras na construção da história, e no Brasil temos muito orgulho na participação dessa diversidade”, afirmou, destacando que nesta terça-feira haverá anúncios importantes sempre em parceria com o prefeito Eduardo Paes.

Mobilidade

Entre as parcerias do BNDES com a Prefeitura do Rio de Janeiro uma é na área de mobilidade no sentido de melhorar a qualidade de vida da população carioca, principalmente nas áreas mais carentes. O financiamento do plano de mobilidade de Campo Grande, cujas obras do novo anel viário já começaram, está em fase final de entendimento entre o banco e o governo municipal.

De acordo com a prefeitura, o projeto, com previsão de investimento em torno de R$ 1 bilhão, inclui um novo mergulhão, um túnel, vias expressas e ciclovias com capacidade de melhorar significativamente o trânsito no maior bairro do Rio. “É uma intervenção muito importante”, disse o prefeito Eduardo Paes.

Carioca

Em tom de brincadeira, Paes disse que o Rio de Janeiro tem feito bem a Mercadante, que já exibe um ar descontraído. Revelou que enquanto ele passou o domingo em casa, o presidente do BNDES estava frequentando rodas de samba, na área chamada de Pequena África, próxima ao Cais do Valongo. “Primeiro é irresistível dizer como o Rio de Janeiro está fazendo bem a esse sujeito. Olha os trajes como ele está mais informal, mais relaxado. Não mais o mesmo Aloizio Mercadante. Aviso aos brasileiros: Aloísio mudou. O Rio de Janeiro está dando uma nova energia para ele”, disse sorrindo.

“É uma evolução da espécie humana que só o Rio de Janeiro pode proporcionar. Então, é saudar este grande carioca que é o Aloísio”, completou.

Para comprovar o que o prefeito falou, animado, Mercadante informou que após os anúncios amanhã com a presença das ministras da Igualdade Racial, Anielle Franco, e da Cultura, Margareth Menezes, haverá uma apresentação da bateria da Estação Primeira de Mangueira.

Repasses

Mercadante criticou o volume de recursos transferidos pelo BNDES ao Tesouro Nacional nos últimos seis anos, que representaram R$ 270 bilhões a mais do que recebeu. Conforme o presidente, se atualizado pelo IPCA, o banco repassou ao Tesouro R$ 1 trilhão e 60 bilhões.

“Isso significa que o BNDES está tirando dinheiro da economia e transferindo para o Tesouro. Isso não é papel de um banco de desenvolvimento. Isso tem que ser feito com impostos, contribuições, outras medidas, mas um banco de desenvolvimento tem que desenvolver a sociedade, ajudar a indústria”, disse, adiantando que no próximo dia 25 serão anunciadas, na sede da Fiesp, novas medidas para o setor industrial.

Fonte: Agência Brasil-EBC