Foto: Arquivo pessoal/Divulgação/Edivan Coelho

Pressão por resultados para corresponder com as expectativas criadas sobre o seu potencial. Esse é um dilema que jovens talentos precisam lidar, como é o caso de Endrick, atacante do Palmeiras.

Diante das armadilhas que esse tipo de situação possa impor na carreira de uma promessa do esporte mais popular do mundo, é preciso tomar certos cuidados. Como explica Edivan Coelho, profissional com vasta experiência no futebol de base.

– É natural (lidar com pressão), pois é um garoto com muito potencial, e que subiu recentemente para o profissional. Ele joga contra atletas bem mais experientes e uma coisa é estar na base e outra é enfrentar jogadores como David Luiz, Balbuena – disse antes de completar.

– O cuidado que tem que ser tomado é não jogar toda responsabilidade para o garoto, pois a pressão existe e é natural jogar essa carga para cima dele. Então é preciso cuidar do lado psicológico, que muitos esquecem, orientar o garoto dentro e fora de campo. O atleta tem que se cuidar, ser bem orientado, e é isso que eu faço com os atletas que trabalharam comigo, me preocupo com o extracampo também, o lado humano, as responsabilidades – explicou.

Com anos de atuação entre jovens jogadores, Edivan Coelho também opina sobre quais caminhos podem ser facilitadores ao contribuir para que promessas possam ter um melhor desempenho no time principal.

– Não existe uma receita, vai de atleta para atleta, mas o melhor sempre é tirar o peso do jogador porque se tem qualidade vai chegar a hora certa. É trabalho, trabalho e trabalho porque é o que vai gerar resultados – explicou.

Edivan Coelho é treinador de futebol com passagens pelas equipes do Linense e Amparo. Além disso possui as
Licenças A e B da CBF.