O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, deixou o Hospital Sírio-Libanês no fim da tarde desta quinta-feira (14), após 23 dias internado para tratar um câncer na região do estômago. Covas deve ficar de repouso em casa até domingo (17), mas já foi liberado pelos médicos para voltar a despachar no gabinete da prefeitura a partir de segunda-feira (18).

Mais cedo, em entrevista coletiva, a equipe médica que cuida do prefeito disse que o resultado do tratamento está dentro do previsto e que Covas não tem sentido nenhum tipo de efeito colateral da quimioterapia.

“O prefeito reagiu muito bem às duas sessões de quimioterapia, sem qualquer efeito adverso. Ele se portou bem, suportou bem todos os medicamentos e não teve efeitos adversos. Então ele deve ter alta hoje até o final da tarde”, destacou o médico David Uip, um dos coordenadores da equipe que cuida do prefeito.

De acordo com os médicos, o dia a dia do prefeito, a partir de segunda-feira, não deverá mudar em razão do tratamento. Covas precisará, no entanto, evitar eventos com a participação de grande multidões.

“Ele vai ter a rotina da vida dele. O limite maior quem dá é o paciente. A partir de segunda-feira, ele volta a ter uma vida de gabinete normal. [Para] a vida pública, ele tem que guardar energia, não vai se expor a grandes multidões, mas fará as visitas que ele determinar, segundo a agenda que for planejada”, disse Uip.

Os médicos informaram ainda que os coágulos que haviam se formado no tórax de Bruno Covas diminuíram e estão sumindo aos poucos. No período fora do hospital, Covas continuará sendo medicado com anticoagulantes.

Bruno Covas voltará ao hospital no próximo dia 25, uma segunda-feira, para fazer exames preparatórios para a terceira sessão de quimioterapia. Ele deverá ser internado no mesmo dia para começar o tratamento, que tem duração de 30 horas contínuas, na terça-feira (26).

David Uip disse que, após a terceira sessão de quimioterapia, o prefeito deverá voltar ao hospital no início de dezembro para fazer exames de controle dos tumores. Só então, a equipe médica irá discutir a continuidade do tratamento.

Tratamento

Covas foi internado no dia 23 de outubro no Sírio-Libanês para tratamento de uma erisipela. No dia 25, foi diagnosticada uma trombose venosa das veias fibulares e exames subsequentes apontaram tromboembolismo pulmonar e câncer. O prefeito foi diagnosticado com adenocarcinoma, um tipo de câncer na região de transição do esôfago para o estômago, além de uma metástase no fígado e uma lesão nos linfonodos.

Ele decidiu continuar no cargo durante o tratamento, despachando e fazendo reuniões de trabalho no próprio hospital. No dia 30, o prefeito terminou a primeira sessão de quimioterapia, tratamento que teve início no dia anterior e durou cerca de 30 horas ininterruptas.

No dia 3 de novembro, um ecocardiograma mostrou o surgimento de um coágulo no átrio direito do coração. Exames subsequentes, entre os quais uma angiotomografia arterial e venosa do tórax, demonstraram redução dos sinais de tromboembolismo pulmonar e o aparecimento de um pequeno trombo junto ao cateter venoso central.

No dia 8, novos exames mostraram que, com o uso de medicação, os trombos estavam sob controle. Covas foi liberado para realizar a segunda sessão da quimioterapia, tratamento que teve início na última terça-feira e encerrou-se na quarta-feira.

COMENTAR

Por favor comente aqui
Por favor informe seu nome