Nas últimas 24 horas, o Chile registrou 6.754 novos casos de contaminação pelo novo coronavírus, o maior número até hoje, e 222 mortes. No total, são 2.870 mortos. O país é o 13º em número de casos no mundo, com 160.846 contaminados, segundo ranking do Centro de Ciência e Engenharia de Sistemas (CSSE) da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. 

O ministro da Saúde chileno, Jaime Mañalich, afirmou que o mês de junho será, provavelmente, o mais difícil para o país. “Foram 100 dias difíceis, de muito sacrifício, de muito trabalho e também de muita solidariedade e generosidade. De fato, o que essa pandemia significou para os cidadãos, não apenas do Chile, mas de todo o mundo, vai marcar a história do século 21 claramente, e ainda nem temos uma antecipação de como será o mundo pós-covid”, disse.

O Chile registrou o primeiro caso de contaminação no dia 3 de março. O subsecretário de Redes de Assistência, Arturo Zúñiga, informou que as 222 mortes registradas nas últimas 24 horas correspondem a falecimentos dos últimos 4 dias, pois são contabilizadas pela data da certidão de óbito no Registro Civil.

Entre os 6.754 novos casos confirmados, 6.217 pacientes tinham sintomas e 537 eram assintomáticos. Atualmente há 1.647 pacientes hospitalizados em unidades de terapia intensiva, sendo que 1.391 estão com ventilação mecânica e 372 em estado grave.

Nas últimas 24 horas, foram feitos 18.733 testes PCR. No total, o Chile realizou 799.776 testes.

“Nossa dinâmica tem sido fundamentalmente de testagem em massa, de todos os contatos próximos, daqueles que podem ter tido contato com a doença. Temos capacidade para realizar 20 mil testes por dia, o que representa o esforço para identificar pessoas, seus contatos e gerar estratégias de isolamento. Estratégias que foram reforçadas nos últimos dias e que permitem levar para residências sanitárias a pessoas que não podem cumprir a quarentena em casa”, disse o ministro da Saúde, ressaltando que são 131 residências sanitárias no país, com capacidade para atender 12.310 pessoas.

Fonte: Agência Brasil-EBC

COMENTAR

Por favor comente aqui
Por favor informe seu nome