Com a Catedral da Sé lotada, no centro da capital paulista, um ato em homenagem ao indigenista Bruno Pereira e ao jornalista britânico Dom Phillips, mortos em uma emboscada no Vale do Javari, no Amazonas, reuniu representantes de diversas religiões para pedir justiça, democracia e respeito aos direitos dos povos indígenas. 

Durante o evento, foi lido o manifesto assinado pelas organizações que convoca a sociedade a dar um “basta” para a violência contra os povos tradicionais e a cobrar o fortalecimento dos órgãos de fiscalização e respeito aos territórios indígenas.

“Honrar a memória desses defensores de direitos humanos exige dar continuidade à sua bem-aventurada missão. Assim, devemos relatar e denunciar a violência que se impõem sobre esses povos, exigir que sejam tomadas as providências devidas para a sua proteção, e transformar todas as crenças e estruturas que dão espaço para a violência”, diz um trecho do manifesto.

Em uma mensagem enviada por vídeo, o indígena Beto Marubo, integrante da coordenação da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja), convocou a sociedade a refletir sobre a necessidade de que essas mortes “não tenham sido em vão”.

“Não devemos aceitar que pessoas como essas sejam vítimas de uma forma tão cruel e achar que isso é um problema regional. Quero convidar vocês a refletir sobre isso e sairmos do nosso ponto de conforto e atuarmos para que a vida de Bruno Pereira e Dom Phillips tenha valido a pena”, declarou Marubo.

Alessandra Sampaio, esposa do jornalista Dom Phillips, participou do ato e pediu cooperação com as comunidades indígenas como forma de honrar a vida do jornalista e de Bruno. “O que podemos fazer ativamente é conhecer mais sobre a Amazônia, essa riqueza, essa biodiversidade. Só quando se conhece é que se pode proteger e lutar por ela”, pediu.

Para a antropóloga Beatriz Matos, viúva de Bruno, são fundamentais as investigações feitas com o intuito de esclarecer o crime. “Mas acho que justiça é a garantia dos direitos e dos territórios dos povos indígenas, do Vale do Javari e todos os territórios indígenas do país”, defendeu. Ela destacou ainda que, mesmo com a grande repercussão do crime, o clima no Vale do Javari é de insegurança entre indígenas e indigenistas.

O evento contou também com a participação de artistas indígenas e da cantora Daniela Mercury e do cantor Chico César. “Quero registrar aqui algo que considero fundamental que é o rechaço ao Marco Temporal, para que a gente consiga proteger os povos indígenas e acabar com essa insegurança jurídica. Quando eles não têm seus direitos respeitados, todo brasileiro está fragilizado”, disse a cantora baiana.

Aumento do efetivo no Vale do Javari

Em reunião na terça-feira (12) com uma comitiva de servidores da Funai, o secretário executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Antonio Ramirez Lorenzo, que participou do encontro como ministro interino da pasta, disse que nos próximos dias mais agentes da Força Nacional de Segurança Pública devem chegar à região do Vale do Javari.

O encontro foi solicitado pelo presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados, Orlando Silva (PCdoB-SP). Segundo informações divulgadas pela comissão, no encontro, Lorenzo também informou que existe o compromisso de tentar viabilizar um concurso público para a Funai ainda em 2022.

Fonte: Agência Brasil-EBC