Uma homenagem às mulheres indígenas será realizada pelo Museu Índia Vanuíre, instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo e gerida pela ACAM Portinari.

Segundo o Governo do Estado, serão realizadas diversas atividades como confecção de balangandã e oficina para professores. O objetivo é capacitar e enriquecer o conteúdo curricular.

Nesta quarta-feira (17) será exibido o projeto “Capacitação para Professores” nas redes sociais do museu, e na primeira edição será apresentado o módulo “Creio em Tupan”, com foco voltado à história da fundação e ao desenvolvimento de Tupã e sua pluralidade cultural.

Já na quinta-feira (18), o projeto “O Olhar é o Sentir pelas Mãos” desenvolverá com os participantes, por whatsApp, diálogos e reflexões sobre o papel e o protagonismo da mulher indígena. A ação é realizada com o público cego em parceria com o programa Vida Iluminada e tem como objetivos a aproximação e a inserção deles à sociedade.

O museu promove atividades lúdicas e reflexivas como forma de integrar as famílias e a instituição. Por isso, a equipe educativa produz oficinas de baixo custo com materiais recicláveis, visando à valorização e à conscientização ambiental. No sábado (20), será confeccionado um balangandã, brinquedo composto por várias fitas que ocasiona efeitos ao girá-lo. No domingo (21), será a vez da produção de uma bolinha antiestresse, que auxilia na coordenação motora e estimula a circulação sanguínea.

Homenagem às mulheres indígenas

Embora o Dia Internacional da Mulher seja oficialmente celebrado no dia 8 de março, o Museu Índia Vanuíre estendeu as homenagens em comemoração a essa data tão importante para a história.

Na quinta-feira (18), será compartilhada nas redes sociais do museu uma homenagem a Kaingang Maria Cecília de Campos, popularmente conhecida como Candire que significa “vamos brincar”, na língua Kaingang. Mãe de Ena e avó de Zeca, ela dominava a tradição da cerâmica na Terra Indígena Vanuíre, e ensinou aos filhos técnicas da confecção tradicional de seu povo.

Já na sexta-feira (19), a homenagem será para Maria Rosa, Oti-Xavante que foi acolhida desde criança pelos Kaingang da Terra Indígena Icatu. Sempre alegre, andava descalça nas matas. É patrona da Escola Estadual Indígena Índia Maria Rosa.

Vale lembrar que o museu está fechado devido à regressão de todos os municípios do Estado de São Paulo para a fase emergencial do Plano São Paulo. A recomendação é a restrição total de atividades. Não há previsão de reabertura.

Como forma de continuar a disseminar a cultura, as ações educativas da instituição e também o tour virtual permanecem de forma on-line pelas redes sociais e site (@museuindiavanuire e www.museuindiavanuire.org.br/culturaemcasa).

COMENTAR

Por favor comente aqui
Por favor informe seu nome